SELOS • STAMPS

1987 – Emissão Comemorativa dos «75 Anos de Turismo»


Colecção Can the Can

1987 – Emissão Comemorativa dos «75 Anos de Turismo»

Desenhos do artista Carlos Rocha, apresentando três diferentes aspectos turísticos – Asas da Tocha – Barcos de Espinho – Chafariz de Arraiolos . Impressão a off-set pela Imprensa Nacional Casa da Moeda sobre papel esmalte, em folhas de 50 selos com denteado 12 X 12-1/2. Foram emitidos 1 milhão de selos da taxa de 25$00 preto azul verde amarelo e creme, 1 milhão de selos da taxa de 57$00 preto azul verde carmim e creme, 1 milhão de selos da taxa de 98$00 preto azul verde cinzento e creme. Sobre todos estes selos foi Impressa uma tarja fosforescente. Postos em circulação a 10 de Fevereiro de 1987.

TURISMO – Portugal ao criar em 16 de Maio de 1911 um “Conselho do Turismo” integrado no Ministério do Fomento, foi um dos primeiros Países a oficializar o Turismo, reconhecendo assim todas as suas potencialidades.

O Turismo, além de promover o nome de uma região e até de um país mostrando e divulgando o seu Património Natural, Histórico e Artístico, gere Importantes benefícios quer na Indústria quer no Comércio, desenvolvendo e explorando pela positiva os Transportes, a Hotelaria e o Comércio em geral, ao mesmo tempo que alimenta uma Importante fonte de receitas em divisas. A importância do Turismo em Portugal tem vindo a modificar as respectivas organizações administrativas passando assim a primitiva Repartição do Conselho de Turismo (1911) a ser integrada no Ministério do Comércio e Comunicações (1919), Administração das Estradas e Turismo (1920), Ministério do Interior (1927) Secretariado de Propaganda Nacional (1940), Secretariado Nacional de Informação (1944). Em 1960 a Repartição do SNI foi elevada a Direcção de Serviços, que passou a Comissariado do Turismo (1965), a Direcção Geral (1969) e posteriormente a Secretaria de Estado do Turismo (1975).

Todas estas alterações orgânicas foram motivadas pelo desenvolvimento do Turismo em Portugal, desenvolvimento que tem por base as óptimas condições climáticas do País e o seu Património Natural e Histórico, aliados ao bom acolhimento por parte das populações envolvidas.

texto de Carlos Kullberg